Data: 17 de setembro a 10 de outubro de 2015

 

Artistas: Diego de los Campos | Heleno Bernardit

 

 

Antirretrato | Seiva Bruta

 

Local: O Sítio | Florianópolis | SC

 

As exposições de Diego de los Campos e Heleno Bernardi fazem parte de uma série de mostras realizadas ao longo deste ano em parceria entre o escritório de arte Myrine Vlavianos Arte Contemporânea e o espaço cultural O Sítio Arte Educação Coworking, em Florianópolis. O projeto parte da seguinte premissa: reunir em mostras simultâneas um artista local e um artista de fora do Estado.  Esta premissa surge da intenção de aproximar artistas e públicos de Santa Catarina e outras regiões do país.  Em junho aconteceram as mostras de Bettina Vaz Guimarães (SP) e Juliana Hoffmann (SC), em agosto Ayao Okamoto (SP) e João Aires (SC), em setembro será a vez de Diego de los Campos (SC) e Heleno Bernardi (RJ) e, em novembro, Fernanda Valadares (RS\SP) e Rodrigo Cunha (SC).

 

Diego de los Campos, uruguaio radicado em Florianópolis,  e Heleno Bernardi, mineiro radicado no Rio de Janeiro, são artistas que trabalham várias linguagens, desde o desenho, a gravura, a pintura e o objeto até a fotografia, vídeo, instalações e intervenções urbanas. Nestas exposições no O Sítio serão expostas obras inéditas, a maioria em desenho e pintura.  As exposições, apesar de independentes, se relacionam quando o assunto é videoarte: os artistas apresentarão, numa mesma sala, vídeos que, dispostos um em frente ao outro, conversam sobre transformação e anulação da forma.

 

Antirretrato
 

A exposição de Diego de los Campos é composta por duas séries e dois vídeos. Na série Sobre portas, em extrato de nogueira e tinta acrílica sobre pedaço de porta entalhada (2014, 80x80x3,5cm), a silhueta desenhada se assemelha a um rosto humano que surge por meio de um trabalho de desgaste que mostra as diferentes camadas da construção de uma porta. A cor evidencia cada parte dessa estrutura diferenciando o espaço interno do externo. O ser é apresentado então como um conjunto de forças que transbordam um corpo fechado dando lugar a um jogo de energias que parecem estar em constante movimento. A série Antirretratos é formada por desenhos em nanquim sobre papel (66x94cm), nanquim sobre papel de caderno de contabilidade (28x35cm) e nanquim sobre folhas de livro de contabilidade (30x36x5cm). A temática predominante dos desenhos, feitos em nanquim puro e aguado aplicado com pincéis não convencionais (como o bambu), é o retrato. A maioria dos retratos é de seres imaginados e a linha construtiva do traço é guiada pelo formato de um busto humano onde cabe a representação de uma paisagem interna, um estado de ânimo ou de espírito. Além das pinturas e desenhos, Diego apresenta vídeos da série Barbiecue:   Nobody loves me (2012), em que uma boneca Barbie recebe um jato de ar quente que começa  crispar seu cabelo e ao cabo de um tempo o rosto da boneca deforma e colapsa, e Precipitação (2012), que mostra num primeiro plano frontal a cabeça de uma Barbie após ser submergida em solvente; a pintura do rosto da boneca cai lentamente em forma de gotas até ficar praticamente sem tinta – e sem rosto.

 

Seiva Bruta
 

A exposição de Heleno Bernardi apresenta um conjunto de pinturas, desenhos e objetos que lidam com propriedades elementares de determinados materiais e processos de produção artística. Monotipias, carimbos e aplicação de tinta diretamente do tubo são alguns dos métodos investigados para se discutir a potência intrínseca dos materiais na construção da obra. Assim, o esmagamento de uma espessa camada de pigmento contra a tela é a ação que constrói uma pintura. A aplicação de um mesmo carimbo, sucessivas vezes, sobre uma folha de papel é o gesto que anula seu desenho. O volume de tinta contido em uma lata de spray é a medida determinante para a realização de um traço contínuo sobre um longo rolo de papel. O trabalho se conecta com séries anteriores desenvolvidas por Heleno, sobretudo Masseter Suíte (fotografias de objetos realizados com chiclete mastigado), Apologia de Sócrates (trabalhos realizados com espuma de sabão) e Magma (intervenções com purpurina sobre imóveis desmoronados), onde a pesquisa de linguagem está fundada na transformação e manipulação dos materiais para a criação de fotos, vídeos e intervenções. Um destes trabalhos anteriores, o vídeo Apologia de Sócrates (2006) será também exibido na exposição. Nele, o artista manipula uma escultura da cabeça do filósofo Sócrates, construída com espuma de poliuretano e embebida em água e sabão, fazendo surgir bolhas e espuma que encobrem o objeto, anulando sua forma inicial.

Please reload